Notícias em profusão

Notícias em profusão

Este espaço é dedicado à publicização das notícias da nossa área educacional.

 

29/12/15

Uma matéria bastante interessante publicada no site UOL me faz parar para pensar em como seria bom se a educação tivesse metas e essas fossem buscadas como algo da mais alta necessidade para a sobrevivência democrática do país; quando digo sobrevivência democrática quero significar a democracia em sua plenitude e não um arremedo de tal.

 

Vejamos a notícia:

 

Cuba é o único país da América Latina e Caribe a alcançar todos os objetivos mensuráveis de educação. É o que aponta o Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos 2015, da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

O documento se baseia no marco de ação proposto, em 2000, no Fórum Mundial de Educação em Dakar. Lá, governos de 164 países se comprometeram com objetivos como cuidados na primeira infância, educação primária universal, alfabetização de adultos e paridade e igualdade de gênero. O desempenho dessas nações foi monitorado quase anualmente.

Apenas metade dos países do mundo e da América Latina alcançou o objetivo de acesso universal à educação primária. Equador, Chile, Peru e México foram os únicos da região a passarem a taxa de 80% das crianças matriculadas na educação pré-primária.

Para a Unesco, o Brasil teve progressos significativos na ampliação do acesso de pessoas pobres à educação por causa da política de transferência de renda dos últimos anos. Foi notado, ainda, uma redução substancial na diferença da qualidade da educação nas áreas urbanas e rurais no país, e também na Argentina, na Costa Rica e no Uruguai.

O documento estipula ainda objetivos até 2030. Entre eles, estão a universalização da educação pré-primária, primária e do primeiro nível da educação secundária e expansão da aprendizagem de adultos.

Fonte: http://educacao.uol.com.br/noticias/2015/04/08/so-cuba-atinge-objetivos-globais-de-educacao-na-america-latina-diz-unesco.htm

 

No destaque (sublinhado por mim) a referência ao desenvolvimento alcançado no Brasil. Apesar de se dizer que foram significativos os progressos é preciso esclarecer que quando uma situação está ruim e se operam alterações, todas elas, por mais pífias que sejam, são significativas, considerando principalmente o movimento de busca da saída do estado de inércia. Então, não vamos nos acomodar com esta "grandeza" de progressos e vamos partir para um ataque fulminante e radical da má qualidade do ensino que por aqui se pratica. Universalizar, sim, mas com qualidade, pois caso contrário estaremos difundindo um mal que facilmente se propaga: o analfabetismo funcional.

 

Curiosamente, todos conhecemos o caminho, mas ninguém se dispõe a andar!

 

11/01/2016

 

A educação parece estar a encontrar caminhos, não todos os caminhos, mas alguns caminhos que permitirão estabelecer uma relação mais equânime entre os alunos que frequentam o ensino superior.

Mesmo assim, ainda vejo com algum temor a forma de gerenciar esse processo que está sendo apontado para solucionar um velho problema: A educação pública está para os ricos, assim como a educação particular está para o trabalhador e seus descendentes. 

Não quero pensar numa forma "branca" de privatizar a educação pública, mas precisamos ficar atentos para as manobras que estão sendo articuladas.

Leia a notícia:

http://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2016/01/11/alunos-de-maior-renda-podem-passar-a-pagar-por-universidade-publica

 

30/01/2016

Enfim, o primeiro mês deste ano está terminando numa quase total paralisia do país: afinal vai ser carnaval e as mentes parecem adormecidas ao ponto de esquecerem as mazelas que as deveriam atormentar. Como pouco há a fazer "até que tudo se acabe na quarta feira" (quando e onde acaba!), trago para vocês uma reflexão que tem feito correr alguns pequenos riachos de tinta, mas que, na verdade, parece que não está muito no ponto de interesse imediato do povo brasileiro, pois este não aprende e só fecha a porta depois que é roubado.

O MEC não tem feito segredo, mas muitos de nós ainda ignoramos algumas das medidas que estão sendo anunciadas. Uma delas diz respeito às modificações que ele está querendo operacionalizar nas licenciaturas. Produziu documento a que chamou de "Diretrizes Curriculares para Formação de Professores". Além de toda a política de mudança de rumo das licenciaturas é possível perceber que existem propostas que não estão sendo amplamente debatidas por falta de prática do povo brasileiro de discutir aquilo que lhe pode atingir antes que o fato esteja consumado. Um desses assuntos diz respeito à "residência dos licenciados" que está em estudo. Se para muitos pode ser uma boa política, para outros trata-se de mais uma barreira.

Mas enquanto no "andar superior" se discute um pouco do nosso futuro profissional, no térreo: "Viva Momo"!

Para entender um pouco a proposta basta que você acesse AQUI aproveite o clima de festa e divirta-se refletindo sobre o que lhe pode esperar, principalmente, se você é estudante dos cursos de licenciatura. Aliás, sobre as licenciaturas eu tenho cá as minhas ideias, mas deixo para uma próxima reflexão. Devo dizer, contudo e antecipando qualquer possível debate que APOIO a ideia da residência: por dois motivos: 1 - os nossos cursos de formação docente deixam muito a desejar; e 2 por que por mais excelência que um curso formador possa ter, jamais estará à altura de de colocar "no banho" todos aqueles que por ele passam, em virtude de uma notória tendência à teorização em detrimento da prática.

Façam vossas análises e se o desejarem, deixem nos comentários (página inicial do site) a vossa opinião que para mim e para muita gente mais é de extrema importância.

E que Fevereiro possa trazer um feliz começo de ano! 

 

08/03/2016

A notícia que trago hoje é interessante para os estudiosos de História, de Geografia e de Paleontologia, este é o meu entendimento. Mas, como o objetivo do site é promover o aprendizado, acredito piamente que este conteúdo se encaixa perfeitamente neste contexto. Vejamos a notícia que é, ao mesmo tempo, escrita e fotográfica:

 

CIDADE PERDIDA, DEBAIXO DE COIMBRA (Portugal)

Há uma cidade perdida debaixo de Coimbra, mas poucas pessoas sabem disso!

 

Uma cidade oculta que se localiza por baixo de Coimbra tem milhares de anos, mas mesmo assim é desconhecida pela maioria. Chamavam-lhe Aeminium, e hoje, é um vestígio apenas. Aeminium foi um importante entreposto comercial, a residência dos monarcas D. Henrique e D. Teresa, o local de nascimento do primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, e, finalmente, cidade universitária e do conhecimento.

aeminium_1

A antiga Aeminium deixou vestígios no presente. Um deles é o criptopórtico romano, localizado no Museu Machado de Castro. Os vestígios mais antigos de Aeminium datam da era romana, quando aquele povo fundou a cidade, em colaboração e sempre protegida pela vizinha Conímbriga, a apenas 16 quilómetros de distância, na localidade de Condeixa-a-Nova.

aeminium_2

Contudo, quando os Suevos saquearam e destruíram Conimbriga, em 465 e 468 d.C., os seus habitantes tiveram de fugir para Aeminium, aumentando a população local e ajudando a cidade a prosperar e a crescer.

aeminium_3

O mais importante destes vestígios é o criptopórtico, uma galeria de túneis subterrâneos com vários arcos no topo, construído para suportar o Fórum Romano da antiga Aeminium. Durante a Idade Média, o palácio de um membro do clero foi construído sobre o fórum, edifício que actualmente alberga o Museu Machado de Castro e que esconde o criptopórtico, que pode ser visitado entrando no museu.

aeminium_4

A plataforma artificial que suportava a estrutura manteve-se inalterada até aos dias de hoje e permite que, pela primeira vez na história, o público tenha total acesso ao fórum, uma experiência que pode ser enriquecida pelas recentes descobertas.

aeminium_5

 

 E então... gostaram da novidade?

Deixe seu comentário aí abaixo. Ele representa um incentivo a mais neste meu fazer. Obrigado!

 

07/04/2016

Neste semestre que transcorre fui escalado para ministrar aulas de Políticas Educacionais numa turma do Curso de Geografia. Considero-me home de desafios (muito embora esse já tenha sido o meu chão de trabalho na universidade e há muito não estivesse ligado ao setor e por esse motivo aceitei de bom grado encarar a proposta, que representava para mim a possibilidade de me atualizar na matéria. É certo e sabido que quem como eu labuta na área da História da Educação e na Formação Docente sempre está mais ou menos perto das políticas, por vezes, muitas, só falta mesmo a necessidade de socializar o saber para que tudo aflore de modo mais refletido.

 

Na busca por atualizações no panorama educacional brasileiro para mostrar aos estudantes a fragilidade das nossas instituições quando o alvo são as políticas educacionais, deparei-me com a notícia saída da FE/UNICAMP (Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas) um dos centros difusores de grandes estudos na área, que me colocou em contato com uma realidade que embora saiba triste e concreta, me deixa sempre perplexo: A PRIVATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA.

 

O texto é assaz longo e não sei se seria o caso de transcrevê-lo na íntegra neste espaço. Depois de alguma reflexão decidi trazer até vocês alguns extratos e deixar o link para a notícia completa. A sugestão é que, se por acaso a matéria lhes interessar, façam uma leitura completa do Relatório que foi editado e que dele tirem vossas considerações. Eis partes do texto, à guisa de aperitivo:

 

"Relatório revela privatização da educação pública no país

Estudo aponta que é cada vez maior a atuação de sistemas privados no ensino fundamental nos municípios brasileiros.

A compra de serviços educacionais ofertados pelo setor privado por prefeituras, como a formação ou treinamento de professores e apostilas, vem crescendo no Brasil: em alguns casos, grupos empresariais chegam a, para todos efeitos práticos, assumir a orientação da política de educação do município, criando situações que violam aspectos importantes do direito à educação, como a adaptabilidade e a acessibilidade. É o que diz estudo coordenado pela ONG Ação Educativa e desenvolvido com a participação do Grupo de Estudo e Pesquisas em Políticas Educacionais (GREPPE) da Faculdade de Educação (FE) da Unicamp, USP e Unesp, e realizado com apoio da Open Society Foundations e da Campanha Latino-Americana pelo Direito à Educação.

 

Eu não conheço a visão de cada um dos meus leitores e não pretendo, de modo algum, influenciar na tomada de decisão de cada qual, mas não consigo silenciar esta minha indignação para com os rumos que vislumbro no horizonte plúmbeo que se desenha logo ali onde a visão menos guarnecida é limitada pelo desconhecimento de causa.

Ao que parece, estamos diante de mais um ataque neoliberal a esta área que se pretende denominar de "Pátria educadora". Sim, educadora talvez, mas para quais efeitos e, mais especialmente, para quem. Os "homens de negócios da educação" não param de engendrar artifícios para levarem mais vantagem em cima de um setor já tão sacrificado como é este da educação, no qual, na hora do orçamento anual se alocam verbas que parecem querer resolver minimamente a problemática educacional, mas que na verdade nada mais passa que de "um paraíso fiscal" legal, no qual se locupletam os mais sombrios desejos. Basta observar os "cortes orçamentais" que são realizados ao longo do ano para se perceber que a "pasta" da educação não serve para mais nada que para desviar verbas para outras finalidades (quantas vezes duvidosas). Neste mesmo barco embarca outro setor de grande relevância para o pobre trabalhador que é quem, no frigir dos ovos, mais sofre com estas políticas rasteiras que são planejadas por mentes quase que diabolicamente projetadas. E o sofrimento continua e não está perto seu fim. Vejamos mais um extrato do Relatório:

 

“O que se sabe hoje é que o avanço da lógica privada sobre o setor público afeta o direito humano à educação, tendendo a produzir, na maior parte dos casos, aumento das desigualdades educacionais, com maior prejuízo para as populações em situação de maior vulnerabilidade”, disse Gustavo Paiva, da ONG Ação Educativa e coautor do trabalho. “Neste contexto, o estudo se propôs a analisar quais são os impactos da adoção de sistemas privados de ensino para a realização do direito humano à educação. A conclusão é de que estes sistemas tendem a reduzir a disponibilidade de recursos, reduzir a capacidade do poder público de planejar e gerir seus sistemas educativos e reduzir a autonomia de professores, além de não haver garantia de melhoria na qualidade e o devido controle social”.

 

A última oração do período é de deixar qualquer cidadão arrepiado. Nós já sofremos um "sem fim" de processos controladores e a privação de recursos necessários ao perfeito funcionamento social e essa ameaça (que ao que tudo indica deixou de sê-lo para se tornar mais uma triste realidade) está surgindo como um monstro a mais para atormentar a nossa já suficientemente conturbada existência. Acredito que não podemos agir de forma irresponsável diante de tamanha ameaça: nós temos a arma mais poderosa que esses "fazedores de leis" temem - o nosso VOTO - precisamos aprender a utilizá-lo com parcimônia e mais ainda com a devida atenção que o ato de votar carece. Somos nós quem pode, definitivamente, dar novos rumos a esta nação que vai caminhando, a cada dia que passa, para um futuro cheio de incertezas e repleto de atos de desumanidade entre aqueles que compõem sua sociedade. Não sejamos alienados... nós só colheremos aquilo que plantarmos, portanto há que cultivar valores que nos dignifiquem e nos completem no seio da sociedade que escolhermos viver. Não poderemos nos queixar se outorgarmos a outrem o direito de decidir por nós aquilo que vamos vivenciar ao longo de nossa história que passaremos a não escrever, pois outros encontrarão campo fértil para rabiscar nosso futuro enquanto o deles será repleto de mordomias e belas pintas!

 

Deixo o link para que possa apreciar com o devido rigor a notícia que hoje lhes trago:

 

http://www.unicamp.br/unicamp/ju/651/relatorio-revela-privatizacao-da-educacao-publica-no-pais

 

19/04/2016

Como diz um dos humoristas da nossa TV - "Estão limpando o chão com bosta". Este foi o espetáculo que nos foi dado presenciar no domingo (17/04/16) em plena Câmara Alta. Uma vergonha nacional. Mas não foi apenas isso... as implicações que advirão são terríveis para uma população que apenas cometeu um grave erro: NÃO SOUBE ESCOLHER SEUS REPRESENTANTES e se vendeu por um cacho de bananas podres, criadas nesta república onde elas são abundantes.

O afastamento de uma inocente (até que se prove o contrário, o que está difícil!) para a tomada do poder de um LADRÃO de carteirinha e com as cotas de associado no clube do crime todas em dia, só pode ser comparado com um circo dos horrores. O preço que o povão vai pagar já foi anunciado e é muito alto, principalmente para aqueles que começaram a sonhar com uma vida digna.

Encontrei este texto - do qual desconheço a autoria - mas que diz bem todo o filme está sendo rodado, e dá nome aos atores principais. Deixo-o aqui para vossa apreciação e para que daqui a alguns dias (não muitos, acredito) possamos conferir se as previsões mais sombrias se confirmam:

VAMOS COMEMORAR A SAÍDA DA DILMA!

 
Se você é da área da assistência social, comemore! O Temer já disse que o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome-MDS será extinto ou unificado com outro ministério (forma elegante de extinguir sem causar impacto na imprensa). Olha que bom! Os municípios trabalham, quase exclusivamente, com recursos federais (exceção municípios grandes), portanto, adeus ao dinheiro do IGD, PAIF e Serviços de Fortalecimento de Vínculos. Aproveite os últimos dias do seu emprego público. Bolsa Família? Temer disse que não vai extinguir. Claro que não! Somente não vai abrir para inserir novos beneficiários e estabelecer prazo para o beneficiário se manter no programa, assim como o governo PSDB de São Paulo fez com o Programa Renda Cidadã e Ação Jovem, portanto, em um ou dois anos o programa é extinto automaticamente.


Se você é concurseiro, pode parar de estudar! Temer apoia a PL que prevê o fim dos concursos públicos e pactua chamar não novos funcionários, além da possibilidade dos estados e municípios poderem demitir concursados. A você trabalhador, despeça do 13º salário, FGTS, e pagamento de horas extras. O Temer já pactuou com o empresariado que apoiará o fim da CLT e o que valerá são os acordos trabalhistas (está em aprovação no Congresso). Ah! Se o acordo com seu patrão for de trabalhar 10 horas, serão 10 horas, sem choro e sem pagamento de horas extras. E o valor do salário mínimo será reduzido ou congelado, o objetivo é reduzir o custo de produção.

 

Espero que já possuam casa própria, pois, linhas de financiamento subsidiada pelo governo chegou ao fim, assim como o Minha Casa Minha Vida. Só para lembrar, o que financia a habitação é o FGTS e, considerando que o FGTS será extinto, não terão recursos para financiar moradias. Só para citar mais um motivo para comemorar: Fim do FIES que é aquele programa que financia o curso superior em faculdades.

 

Desejo sinceramente que já tenha concluído o curso superior, caso contrário, comece a estudar com muito entusiasmo para passar numa universidade pública, se é que ainda existirão! Acham que pintei um quadro ruim? Não, isto faz parte do projeto Ponte Para o Futuro, já lançado pelo Sr.Temer, é só lerem.

 

Não se desesperem, se informem, isto é apenas uma pequena amostra do Estado Neoliberal.